VOCÊ ESTÁ EM >> TECIDOS PARA SENTIR

Tecidos para sentir

A designer Aleksandra Gaca cria tecidos com uma estrutura única chamada ARCHITEXTILES®, em 3D, que chegam a apresentar até qualidades acústicas. Suas criações já receberam vários prêmios internacionais, incluindo o Dutch Design Award. Gaca nasceu na Polônia, mas vive e trabalha na Holanda.

Como uma herança ancestral, Aleksandra Gaca perpetua o legado na fabricação têxtil de Lódź, cidade na Polônia onde nasceu em 1969, com sua estética inovadora, combinando tecnologia e textura em projetos que abrangem moda, design de produto e arquitetura.

 

Painéis de parede têxteis: tecidos que absorvem o som.

 

A polonesa Aleksandra Gaca.

 

O interior muitas vezes minimalista de escritórios e salas de reunião pode parecer um pouco frio e estéril. Para superar isso, a designer criou uma série de painéis de parede têxteis para a embaixada holandesa, em Berlim, e para o escritório do Rabobank, em Nijmegen. Os painéis são de ARCHITEXTILES®, tecidos esculpidos que absorvem o som e que Gaca havia desenvolvido anteriormente no TextileLab, um conceituado laboratório independente de pesquisas e testes de materiais, nos Países Baixos. Os painéis melhoram a acústica, mas também são agradáveis ​​de ver e tocar.

Graca matriculou-se em 1991 num programa de design de moda na Royal Academy of Arts, em Haia, e descobriu-se fascinada por tecidos, durante seu segundo ano de estudos. "Depois de um estágio de um mês na Inglaterra, onde estudei design têxtil, pude me concentrar no material em si. Comecei a aprender sobre várias técnicas e me apaixonei pela tecelagem em particular".

Os têxteis decorativos permitiram-lhe libertar a sua imaginação e recorrer a uma série de inspirações não dominadas por tendências que ditam mudanças dinâmicas na indústria da moda. "No design têxtil decorativo é totalmente diferente", explica ela. "As coleções são exibidas uma vez por ano e o processo criativo pode durar muito tempo".

No início dos anos 2.000, Graca começou a fazer experiências, usando um tear manual, e viu que era capaz de criar dimensões em tecidos com um estilo particular de tecelagem. Ela combinou poliéster com fios mohair - semelhantes à seda, produzidos a partir do pelo da cabra -, mais algodão, fio de metal e papel. A técnica incomum criou uma estrutura contrastante que muda com base em sua configuração, resultando em efeitos brilhantes ou foscos, em material macio ou rígido, grosso e opaco ou delicado e transparente.

 

Lodz Design Festival: trabalho em 3D para design de interiores.

 

A estética e a forma são o seu ponto de referência e, só depois de criar um tecido, Aleksandra considera como será usado. De 2002 a 2004, ela apresentou seus primeiros trabalhos em 3-D como design de interiores. Esses projetos foram premiados no Decosit Awards na Bélgica e no Neocon Awards nos EUA, como Melhor Produto Profissional na Dutch Design Week; também recebeu o Absolute Creator do Design Alive Awards, no Lódź Design Festival, e primeiro prêmio no Design District Awards, na Holanda.

Hermès, a marca global de luxo, encomendou a Graca a criação de interiores personalizados para suas butiques na Coréia e China, por meio da arquiteta RDAI Nathalie Baron, e criou uma instalação têxtil para a vitrine - uma onda carmim de 10 metros de tecido entrelaçado com fio de ouro. O vermelho brilhante lentamente se transforma em um vinho escuro em um padrão rítmico desencadeado pela trama dourada irregular.  Gaca foi chamada para assumir mais três boutiques exclusivas da Hermès em Xangai, Harbin, Wuxi e Seul, cada uma adaptada ao mercado local e aos arredores.

 

Mistura de merino wools e mohair.

 

A designer expandiu seus negócios, mudando do trabalho manual para a fabricação industrial. Foi o princípio da sua cooperação com o Textiel Lab, no Textile Museum, em Tilberg. Suas coleções mais conhecidas são:  Slumber e ARCHITEXTILES®, compostas por almofadas, cobertores e painéis de parede acústicos, produzidos pela empresa belga Casalis. Suas “sono almofadas” foram muito aclamadas em 2011, em Milão, com formas suaves, coloridas, alcançadas graças à mistura de merino wools - das melhores e mais suaves lãs de ovelha do mundo – e mohair. Este material logo se tornou o favorito de Gaca, como ela observa: "Eu amo mohair por seu adorável fio longo, por quão agradável é tocá-lo. Se quisermos nos envolver com tecidos, eles têm que ser agradáveis, estimulando nossos sentidos e nos convidando ao aconchego".

 

Melhor produto no Dutch Design Awards 2018: 

Bloko no protótipo da Renault Symbioz.

 

A coleção ARCHITEXTILES® de painéis de tecido acústico 3-D, combina merino, poliéster, elastano, algodão e viscose. Sua textura imita uma forma orgânica como vista através de um microscópio, absorvendo ondas sonoras de forma mais eficaz do que tecidos planos, proporcionando um efeito visual de luz e sombra em tons claros e naturais. Esses painéis multifuncionais podem ser usados como enfeites de parede ou divisórias - seus múltiplos propósitos deram a Gaca um prêmio de inovação do Júri Dutch Design Awards pelo design poético de infinitas possibilidades.

Os tecidos de Gaca foram aplicados em diversos espaços públicos, decorando bancos, aeroportos e embaixadas. Em seu projeto para o aeroporto de Schilpol, Amsterdã, a MV Architects decidiu garantir que o espaço geralmente frio do aeroporto ganhasse um caráter um pouco mais amigável. Eles usaram painéis de tecido CELLO, com seu padrão de tricô overscaled (grande escala) para cobrir algumas partes do telhado, agindo como elemento redutor de ruído e como material térmico, capaz de manter o calor em todo o edifício.

Para o Ministério das Relações Exteriores em Haia, ela preparou uma série de painéis verdes e cinzas. Seus tecidos também foram escolhidos para criar um certo clima intimista na cantina do edifício. Sandra de Steur-Klaasman, a arquiteta que reorganizou esse espaço, dividiu-o em pequenos ambientes usando painéis feitos de BLOKOtecido, outra variação de produtos da designer.  Gaca também contribuiu com seus projetos para a embaixada holandesa em Berlim, onde propôs dois painéis trabalhados no mohair, em tons suaves de cinza e verde, jogando habilmente com estas cores, numa dinâmica sutil entre a dureza do concreto e a suavidade da lã, entre as superfícies lisas das paredes e a maciez de seus painéis.

No dia a dia, Gaca trabalha em seu estúdio em Delft. Quando perguntada sobre sua identidade, ela responde: “Na Holanda, descobri a minha paixão pelo design de tecidos, adquiri conhecimento e experiência, mas se não fosse o primeiro estágio polonês da minha vida eu não estaria fazendo o que estou fazendo agora, porque meus tecidos surgem não só graças ao conhecimento e experiência, mas também do que eu trouxe comigo do meu país natal”.

 

 

Fonte: Traduzido e editado por Agnieszka Le Nart, baseado no texto original de Paulina Kucharska para o site Culture.pl. O artigo inclui citações da entrevista de Anna Oporska com a artista para a revista Czas na wnętrze.